terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

A Calçada

As minhas se misturam com as alheias
Deslizam rosto abaixo, com cheiro de cloro
Eu tentei, eu amei
Mas errei, não consegui, falhei


Nunca fui só palavras
Atitudes faziam parte do nosso mundo
Mesmo que mais da minha parte
Sendo suas as reações minimalistas


Por medo? Receio?
Não, pelo contrário
Por amor, por respeito


Eu tinha pressa, eu tinha fome
Ainda tenho, mas agora tenho paciência
Te espero na calçada, na sua calçada




Lívia Otero - 15.2.10

0 comentários: