domingo, 9 de janeiro de 2011

Lágrimas de Chuva

As gotas da alma
Do coração
Da saudade
Da tristeza


Se confudem com água
Enxarca os olhos
Faz a garganta falar
Sem exalar som algum


Um choro quieto, calado
Mudo, puro, silenciado
O olhos vermelhos no espelho


Olho pra mim, enxergor você
O que fiz? O que quiz?
Se o tempo parasse eu mudaria






Lívia Otero - 9/1/11

0 comentários: